PAGINA INIZIALE
................................
  ARTICOLI E SAGGI
................................
  POLEMICHE
................................
  INTERVISTE
................................
  RECENSIONI
................................
  BIBLIOGRAFIA
................................
  [ admin ]
Os reaccionários coloridos (portoghese)

Rinascita – Professor Mutti, tem-se interessado pelo desenvolvimento da Revolução islâmica no Irão desde que, há trinta anos, publicou alguns escritos do Imã Khomeini nas Edizioni all’insegna del Veltro. Actualmente acompanha o desenrolar da política iraniana por intermédio do observatório da revista de estudos geopolíticos “Eurásia”, da qual é redactor. Que lugar ocupa o Irão no actual contexto geopolítico?

C. Mutti – Embora se encontre rodeado por potências hostis (os regimes wahabitas e filoamericanos da península arábica) e por países submetidos à ocupação militar ocidental (Iraque, Afeganistão e Paquistão), a República Islâmica do Irão tem vindo a aumentar o seu peso geopolítico, de modo que exerce actualmente uma influência regional que se estende do Tajiquistão até aos movimentos de libertação do Líbano e da Palestina, e entre os países seus amigos encontram-se a Turquia e a Síria. Por fim, é fundamental o facto do Irão ocupar uma posição geográfica de enorme valor para a segurança da Rússia e dispor de um património petrolífero de vital importância para o crescimento económico da China. Deste modo, a República Islâmica do Irão pode contar com a solidariedade das duas maiores potências do continente eurásico.

Rinascita – Quem são, na realidade, os manifestantes que a imprensa ocidental designa de “estudantes”, “reformistas”, “ala verde”, “revolucionários” e assim sucessivamente?

C. Mutti – Mais que de revolucionários tratam-se, na verdade, de autênticos reaccionários, tal como o demonstram sem dar azo a equívocos as suas próprias palavras de ordem, das mais explicitas entre estas a – “Morte à vilayat-e faqih” – que deseja o fim da governação islâmica. Além disso, são muito dignas de nota as palavras referentes ao seu posicionamento internacional: “Nem Gaza nem Líbano, só me sacrifico pelo Irão!” e “Morte à Rússia e à China!”. Por último, é interessante que os manifestantes tenham ressuscitado o termo “República iraniana”, que era o do usurpador Xá Reza. As reivindicações expressas por estas frases não são pertença de uma mera franja extremista do movimento reaccionário, são também as palavras dos seus líderes. Tanto assim é que Mir Hussein Mussavi (o candidato derrotado nas últimas eleições presidenciais) se tem negado a desautorizá-las.
Por outro lado, sabemos que a oposição é uma coligação multicolor que reagrupa indivíduos de várias orientações políticas: reaccionários nostálgicos da dinastia Pahlevi, resíduos dos grupúsculos marxistas que o Imã Khomeini chamava, depreciativamente, de “comunistas Made in USA”, e terroristas democráticos da organização dos Mujahedin do Povo [Muyahidin-e khalq].

Rinascita – Contudo, se não me falha a memória as Edizioni all’insegna del Veltro publicaram uma compilação de documentos dos Mujahedin do Povo…

C. Mutti – Aquele livro (Documentos da Guerra Sagrada) foi publicado em 1979, ou seja, numa altura em que os Mujahedin do Povo lutavam contra o regime colaboracionista do Xá ao lado de outros elementos políticos do povo iraniano. Só posteriormente é que os militantes da dita organização viraram as armas contra os seus compatriotas, responsabilizando-se por sanguinários atentados levados a cabo por células no estrangeiro e merecendo o ignominioso epíteto de munafiqin (“hipócritas”).

Rinascita – Quais são as estruturas estrangeiras que inspiram as acções dos actuais opositores ao governo islâmico?

C. Mutti – Já em Junho de 2009, no discurso pronunciado aquando da Oração de Sexta-Feira, o Aiatola Khamenei estabeleceu uma clara relação entre os acontecimentos pós eleitorais no Irão e a chamada “revolução das rosas” orquestrada por Soros na Geórgia. A acusação do Aiatola Khamenei foi confirmada por uma notícia publicado na edição do jornal “Stampa” de 28 de Junho de 2009, num artigo de Maurizio Molinari: O Departamento de Estado estadunidense colocou à disposição dos activistas “reformistas” fundos federais no valor de 20 milhões de dólares. Em 2006 Condoleeza Rice já tinha disponibilizado 66 milhões de dólares para os “dissidentes” iranianos. Já para não falar do dinheiro provavelmente oferecido pelas estruturas subversivas que intervêm pontualmente no apoio às ditas “revoluções coloridas”: o Center for International Private Enterprise, o National Democratic Institute for International Affais, o International Republican Institute, etc.

Rinascita – Na sua opinião, Khamenei tem os dias contados? O presidente Ahmadinejad cairá?

C. Mutti – Para nos apercebermos do enorme consenso de que goza o Aiatola Khamenei, basta dar uma vista de olhos aos vídeos das manifestações populares organizadas em seu apoio (um desses vídeos encontra-se também no portal da Coordenadora do Projecto Eurásia www.cpeurasia.org). Compare-se os milhões de pessoas que se manifestaram em seu nome com os parcos milhares de hooligans “direito-humanistas” recrutados na sua esmagadora maioria nos bairros do norte de Teerão.
Quanto ao presidente Ahmadinejad, a solidez da sua posição está confirmada pelo consenso eleitoral recentemente decretado em seu favor pelo povo iraniano.

(Entrevista de Davide D’Amario efectuada a Claudio Mutti, “Rinascita”, 15 de Janeiro de 2010)

Inserita il 08/02/2010 alle 15:55:36      Versione stampabile della notizia      Invia la notizia ad un amico